RJ NEWS ONLINE
Cotação
RSS

Comte Bittencourt garante investimentos para Macaé, Rio das Ostras e Quissamã

Publicado em 20/02/2021 Editoria: Educação sem comentários Comente! Imprimir


Comte Bittencourt destaca que Estado precisa garantir a continuidade do saber, evitando o prejuízo na aprendizagem de crianças e adolescentes

Comte Bittencourt destaca que Estado precisa garantir a continuidade do saber, evitando o prejuízo na aprendizagem de crianças e adolescentes

Em entrevista exclusiva ao RJ News, o secretário estadual de Educação, Comte Bittencourt, anunciou diversos investimentos na região de abrangência do jornal.  Em Macaé, a escola do bairro Lagomar será inaugurada em parceria com o município. Rio das Ostras também será beneficiada com mais uma unidade escolar de ensino médio. Já Quissamã receberá um repasse de R$ 1 milhão, devido ao bom desempenho no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB). 

Em Macaé, Comte Bittencourt garantiu que em 2022 o Colégio Estadual Carlos Walter Marinho Campos, localizado no bairro Lagomar, estará funcionando e com vagas para o ensino médio, para os moradores da região.

Comte informou que a unidade estava completamente abandonada e, segundo ele, as obras de conclusão da escola serão retomadas também pelo município de Macaé. “O colégio do bairro Lagomar estava com 90% das obras prontas, mas foram abandonadas pelo governo anterior. Realmente constatamos um cenário destruído, degradante e totalmente abandonado. Isso é lamentável. Os recursos públicos foram desperdiçados. A escola não tinha vigilância nenhuma, então muita coisa foi roubada e até mesmo destruída”, informou o secretário que visitou o local, no último dia 25 de janeiro, ao lado do prefeito Welberth Rezende.

O convênio entre os governos estadual e municipal para o término das obras da escola do Lagomar foi firmado em 2020, quando todo o processo de retomada das obras foi acompanhado pelo então deputado Welberth. “Os alunos do bairro Lagomar não têm oferta de ensino médio na localidade, eles precisam se deslocar para outras escolas estaduais da cidade para poderem estudar”, reforçou Comte Bittencourt.

O Colégio Estadual Carlos Walter Marinho Campos terá funcionamento compartilhado entre prefeitura e estado.  “Falta 30% da obra e o colégio será regulado pelo Estado. Em outro turno, o município ofertará do sexto ao nono ano do ensino fundamental. Desse modo, teremos no bairro Lagomar, por parte do Estado e da Prefeitura, a garantia da oferta de matrícula, da educação infantil das unidades já existentes no bairro, de responsabilidade do município, e agora, o segundo segmento e o ensino médio. Ano que vem estaremos com essa escola funcionando”, garantiu Comte Bittencourt.

O estado anunciou também construção de escolas estaduais, objetivando mais ofertas de vagas diurnas do ensino médio, em Rio das Ostras, na Baixada Litorânea, e nos municípios da Região dos Lagos, Cabo Frio e Búzios.

Segundo ele, em Rio das Ostras, as obras do Colégio Estadual Maurício Medeiros de Alvarenga chegaram a ser iniciadas, mas não estavam adiantadas como as de Macaé, e também foram paralisadas. Agora, o objetivo é terminar essa unidade.

No Distrito de Unamar, em Cabo Frio, o secretário anunciou a construção do Colégio Estadual Carlos Heitor Cony e, em Búzios, na Praia Brava, será inaugurado o Colégio Estadual Francisca Maria de Souza.
“Todas essas cidades foram impactadas em função do ciclo do petróleo em Macaé e essas são as cidades do interior do Rio de Janeiro que nós não temos a garantia da matrícula universalizada do ensino médio diurno”, explicou.

Secretaria Estadual de Educação anuncia repasse de R$ 1 milhão para Quissamã
O município de Quissamã, no ano passado, obteve a nota 6,1 do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Devido ao bom desempenho na avaliação, já que o município ficou entre as 17 melhores cidades do Estado, a Secretaria Estadual de Educação vai repassar R$ 1 milhão à Quissamã.

Segundo o secretário Comte Bittencourt, o Estado, dentro de um ‘espirito colaborativo’, irá repassar R$ 1 milhão para cada uma dessas 17 cidades, para que invistam em melhorias nas redes municipais de ensino. “O governador Cláudio Castro, provavelmente no início de março, realizará uma solenidade no Palácio Guanabara para receber os prefeitos destas 17 cidades. Quissamã será uma delas. Esse recurso só não poderá ser aplicado em pessoal, mas pode ser aplicado em qualquer outra melhoria da rede, seja física, aquisição de bens ou na melhoria da educação remota, que se tornou um grande desafio para a pasta, e necessita de investimentos destinados à tecnologia”, ressaltou Comte Bittencourt.

Segundo a prefeita Fátima Pacheco (DEM), a educação na cidade é tratada como uma das prioridades no município e isso é visto nos resultados do último ano, quando foi alcançada a maior média do município no Ideb. “Com um ensino qualificado, também conseguimos atrair mais investimentos. Com esse reforço nos recursos, continuaremos trabalhando para garantir a valorização dos profissionais e alunos em nossa rede de ensino”, declarou a prefeita.

Início do ano letivo na rede estadual de ensino
O ano letivo começou no dia 8 de fevereiro, com a entrega do plano de estudos e foi iniciado o processo de diagnóstico socioemocional dos alunos de todas as séries da rede estadual de ensino. Para a volta das atividades escolares, a Secretaria de Estado de Educação (Seeduc) considerou duas possibilidades de modelos de ensino: híbrido, ou seja, remoto e presencial, com turmas em sala de aula em dias alternados, e somente remoto, a serem adotados de acordo com as recomendações do Comitê Científico e das autoridades de saúde.
No próximo dia 1º de março, começam as aulas na rede estadual. Nesse primeiro bimestre letivo, a proposta da Secretaria Estadual de Educação será a de desenvolver competências e habilidades do currículo essencial, dando continuidade aos estudos de 2020 e iniciando a grade curricular de 2021.

Para o retorno das aulas presenciais, a Secretaria de Educação vai priorizar os 70 mil alunos em situação de maior vulnerabilidade social, cerca de 10% da rede estadual de ensino. Por não possuírem dispositivo eletrônico que dê a eles condições de acompanharem as aulas remotas, os estudantes poderão ir à escola em sistema de revezamento de dias e turmas, para tirar suas dúvidas e ter acesso a recursos de áudio e vídeo produzidos para este período. O plano a ser adotado dependerá das recomendações do Comitê Científico e das autoridades de saúde. Pais e responsáveis também poderão optar pelo ensino exclusivamente remoto, caso desejem.
Desde outubro de 2020, foram tomadas todas as medidas sanitárias protocolares tanto quanto à infraestrutura das escolas quanto aos servidores, sempre em conjunto com o Comitê Científico e a Secretaria de Estado de Saúde. O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Educação, destinou o reforço de R$ 9 milhões para a compra dos materiais nas 1,2 mil escolas estaduais.

Segundo a Secretaria Estadual de Educação, os colégios já estão com seus espaços adequados para garantir o distanciamento social e com Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), como luvas e face shield para os profissionais, além de máscaras para servidores e estudantes. As escolas também contam com dispensers para álcool em gel 70% e tapetes sanitizantes para utilização nas áreas comuns.

Para garantir a saúde dos funcionários, todos os profissionais do grupo de risco da Covid-19, que já se autodeclararam com comorbidades, deverão permanecer em atividades exclusivamente remotas.
Também a partir de março será lançado um link de navegação gratuita para que os estudantes tenham acesso ilimitado ao conteúdo didático da Seeduc sem gastar seus próprios pacotes de internet.
Após decreto que torna Educação atividade essencial no Estado, resolução regulamenta quantitativo de alunos por escola

As diretrizes para uma retomada segura das aulas presenciais de alunos, professores e funcionários no estado foram publicadas no Diário Oficial do dia 26 de janeiro de 2021.  A Resolução conjunta das secretarias de Educação e de Saúde estabelece normas para as unidades escolares estaduais e orienta as redes municipais e privadas, vinculadas à Secretaria Estadual de Educação para que, em casos de bandeiras roxa ou vermelha no município, não haja ensino presencial. Nos casos de bandeiras de risco laranja, amarela e verde, foram estabelecidos quantitativos máximos de atendimento presencial, levando em consideração a capacidade da unidade escolar.

Quantitativo de alunos de acordo com bandeiras
Baseada em critérios técnicos das vigilâncias sanitárias, a Resolução orienta que, no caso de bandeira laranja no município, a escola organize suas aulas presenciais para até 50% dos alunos da Educação Infantil e do Ensino Fundamental I (1º e 2º anos). Já na bandeira amarela, para até 75% do total de estudantes. Na bandeira verde, a escola pode acolher até 100% das crianças matriculadas.

O ranking quantitativo levou em conta todos os estudos que apontam que crianças até o 2º ano do Fundamental fazem parte de um grupo com baixa incidência de adoecimento e capacidade de transmissão do vírus. A resolução garante aos responsáveis e alunos, quando maiores de idade, a opção de ensino exclusivamente remoto.

Já nos Ensinos Fundamental I (3º ao 5º ano), Fundamental II (6º ao 9º ano) e Ensino Médio, o número de alunos por escola deve chegar até 35% do normal, no caso de bandeira laranja. Na amarela, até 50% da capacidade, e 100% de estudantes na verde.

De acordo com o secretário Estadual de Educação, Comte Bittencourt, o Estado precisa garantir a continuidade do saber, evitando o prejuízo na aprendizagem de crianças e adolescentes do estado. “Estamos seguindo as indicações da Secretaria de Saúde, estabelecendo protocolos e tomando todos os cuidados para que professores, funcionários e alunos tenham segurança dentro das escolas. O que não podemos é tirar dos nossos jovens o direito ao acesso à educação. O retorno das aulas é um desafio que está sendo encarado como prioridade pelo Governo do Estado”, finalizou. 

› FONTE: RJ NEWS ONLINE (www.rjnewson.com.br)


sem comentários

Deixe o seu comentário