RJ NEWS ONLINE
Cotação
RSS

Papelarias registram baixo movimento para compra de material escolar

Publicado em 20/01/2021 Editoria: Economia sem comentários Comente! Imprimir


Muitos materiais solicitados ano passado serão reaproveitados em 2021

Muitos materiais solicitados ano passado serão reaproveitados em 2021

Mais da metade do mês de janeiro se passou, período que antecede a volta às aulas, nas redes pública e privada de ensino. Como era de costume antes da pandemia da Covid-19, o movimento em papelarias nessa época do ano era intenso. Os pais buscavam os preços mais baratos para a compra do material escolar. Mas esse ano, ainda em meio à pandemia, o movimento nas papelarias está bem baixo.

O RJ News consultou algumas papelarias localizadas em Macaé para saber como está a procura neste ano e comerciantes relatam que a procura está abaixo do esperado.

O auxiliar de vendas e de informática de uma papelaria e loja de informática, Alessandro Santos, afirmou que nesse ano, em comparação com o ano passado, antes da pandemia, a loja registrou uma queda de 20%. Ainda de acordo com ele, algumas listas chegam ao estabelecimento, mas as pessoas procuram comprar apenas um ou dois itens. Para ele, muitos materiais deverão ser reaproveitados, devido à crise da Covid-19. “É uma ou outra lista que aparece. É um período de muita incerteza ainda, até porque se as escolas aderirem ao sistema híbrido de aula, muitos alunos estudarão em casa e pela internet. Ainda não recebemos listas de material escolar completas e na verdade não sei se receberemos”, explicou.

O baixo movimento, bem como à procura pelo material escolar, está fazendo com que o proprietário de outra papelaria de Macaé, André Pereira, conceda férias a muitos funcionários. O movimento, segundo ele, está totalmente parado nesse ano devido à falta de previsão de volta às aulas. “Nesta época do ano, antes da pandemia, já estávamos registrando movimento intenso aqui, mas este ano está tudo parado. Também acredito que os materiais escolares serão reaproveitados. Meus filhos mesmo estão com os materiais do ano passado. Como muitas escolas adotarão o sistema híbrido, a procura pelos materiais será baixa”, enfatizou André Pereira.
Itens comprados pela internet

Alguns pais, mediante a atual situação da pandemia, optaram em consultar preços pela internet no final do ano passado. É o caso da jornalista Adriana Corrêa. Ela começou a verificar alguns itens da lista de material escolar do filho pela internet em dezembro. “Eu precisei comprar algumas coisas pela internet e sempre que vejo algo mais barato, e sei que vou precisar, acabo comprando. Comprei joguinhos educativos para o Caio, meu filho de cinco anos, para quando ele voltar para as aulas. Nas papelarias, no ano passado, estavam muito caros e achei por R$ 12 na internet”, contou.

Ainda de acordo com ela, alguns itens a escola devolveu, para que fossem utilizados em casa. “Potes grandes, de tinta primária, os pincéis, tudo o que foi devolvido e que não foi usado, já separei e guardei para esse ano. A escola também devolveu caderno de desenho, que também guardei. Em casa eu o Caio fazia as tarefas em folhas de rascunho. E agora comecei a ver outros itens, vou ver se eu consigo comprar pela internet, até porque ainda está complicado de sair, ir às papelarias para pesquisar. No ano passado eu enviei a lista de material do Caio para uma papelaria pelo WhatsApp e eles me enviaram o orçamento. Já sei que consigo comprar pela internet alguns itens aleatórios e até mesmo mais caros, como telas de pintura. Compro junto com outros itens e sai bem mais barato”, explicou.  Ainda de acordo com Adriana, quem optar em comprar pela internet, o ideal é se antecipar para o produto chegar no tempo hábil.

Ainda para a jornalista, é possível que, neste ano, as escolas incluam outros itens na lista de material que não existiam antes, como kits de higiene pessoal para cada criança, como álcool em gel. Geralmente os kits compõem sabonetes, escova de dente... “Acredito até que peçam máscaras este ano. O Caio já usa máscara. Talvez a escola peça para nós enviarmos, por exemplo, um kit com três máscaras para quem vai passar o dia todo na escola. No período parcial, de manhã ou tarde, enviar duas máscaras, ou que incluam uma caixa de máscaras descartáveis. Também acredito que irão mudar os procedimentos. Antes se lavava as mãos depois de sair do banheiro ou antes das refeições, agora as crianças vão ter que lavar a mão toda hora. Isso era facultativo, mas agora vai ter que lavar toda hora, principalmente quando compartilhar algo com outra criança”, observou.

› FONTE: RJ NEWS ONLINE (www.rjnewson.com.br)


sem comentários

Deixe o seu comentário