RJ NEWS ONLINE
Cotação
RSS

Pagamento da primeira parcela do 13º salário e do auxílio emergencial devem aquecer o comércio de Macaé neste final de semana

Publicado em 25/11/2020 Editoria: Economia sem comentários Comente! Imprimir


População pretende pagar contas e comprar lembrancinhas com o dinheiro do 13º salário

População pretende pagar contas e comprar lembrancinhas com o dinheiro do 13º salário

As empresas têm até o dia 30 de novembro para acertarem a primeira parcela do 13º salário com os trabalhadores formais, ou seja, aqueles que trabalham com carteira assinada. O pagamento dos trabalhadores, junto com a liberação do auxílio emergencial de R$ 300, disponibilizado pelo Governo Federal, geram uma expectativa positiva no comércio local, que, segundo do presidente da Associação Comercial e Industrial de Macaé (ACIM), Francisco Nevega, já mostra sinais de recuperação.

Um dos setores mais afetados pela crise do coronavírus, o comércio, espera uma melhora significativa a partir desse fim de semana. O pagamento da primeira parcela do 13º salário e do auxílio emergencial prometem aquecer o setor de varejo. Até o próximo dia 30 de novembro, os trabalhadores formais, ou seja, com carteira assinada, receberão a primeira parte do pagamento do 13º salário e o auxílio emergencial, no valor de R$ 300, está garantido até o próximo mês, pelo Governo Federal.

Segundo o presidente da Associação Comercial e Industrial de Macaé (ACIM), Francisco Navega, o comércio local, assim como outros setores, como a indústria, já mostram sinais de recuperação e a expectativa é que o movimento aumente, ainda esse mês, com a liberação da primeira parcela do benefício aos trabalhadores.  Mesmo assim, ainda segundo Navega, em comparação com o Natal de 2019, a movimentação deste ano é considerada bastante atípica, devido à Covid-19. “Não daria mesmo para termos um resultado superior ao do ano passado. Esperamos uma queda de 4 a 4,5% neste ano, mas para nós, é um alívio. Isso mostra sim que a recuperação de alguns setores. O único setor ainda bastante afetado é o de serviços”, revelou.

O pagamento do 13º salário na pandemia
Com a pandemia da Covid-19, empresas reduziram e suspenderam contratos de trabalho até dezembro. Com isso, trabalhadores e empregados têm dúvidas com relação ao pagamento do 13º salário.
Para os trabalhadores que tiveram o contrato de trabalho suspenso, por um período superior a 15 dias, o período da suspensão não entra na contagem do décimo terceiro salário proporcional, havendo, portanto, uma redução quanto ao seu pagamento. Por outro lado, para quem teve o contrato de trabalho apenas reduzido, mas continuou a trabalhar, receberá o décimo terceiro salário normalmente neste final de ano. 

O que as pessoas vão fazer com o 13º salário
Como de praxe, muitos aproveitam o pagamento das parcelas do 13º salário para quitarem dívidas e, é claro, fazer as compras de fim de ano. Mas como neste ano, como muitas despesas tiveram de ser cortadas por muito trabalhadores, formais e autônomos, será preciso pensar e muito antes de gastar. É o que revelou a contadora Janaina Mendes de Souza, de 33 anos. Ela trabalha em um escritório de contabilidade e, como muitos assalariados, teve o contrato reduzido em até 50%, mas mesmo assim, receberá a primeira parcela do 13º salário até o próximo dia 30. “Vou receber a primeira parcela e vou acertar dívidas, que infelizmente atrasaram e acumularam, principalmente banco e cartão de crédito. Já entrei em contato para fazer a negociação. Agora, vou esperar receber e pagar o que devo. Depois, com o pagamento da segunda parcela em dezembro, vou fazer algumas compras neste ano, mas nada em excesso”, comentou.

O autônomo Luiz Carlos de Souza, de 22 anos, foi beneficiado, desde o início da pandemia com o auxílio emergencial do Governo Federal. De R$ 600 foi reduzido para R$ 300, sendo que o segundo valor será válido até dezembro. Não tendo o direito ao décimo terceiro salário, porque não tem emprego formal, Luiz Carlos, ressaltou que o pagamento do auxilio até dezembro o ajudará a ter o 13º salário, por conta própria. “Desde quando a pandemia começou já pensei no final de ano e consegui poupar um pouco para eu ter meu 13º salário. É diferente dos que possuem emprego formal, porque trabalho por conta. Eu também, assim como muitas pessoas, pretendo pagar dívidas, que tenho algumas em atraso, e depois comprar lembrancinhas de Natal para a família. Nada de presente caro neste ano. Acho que vou precisar continuar a juntar, porque em dezembro o auxílio acaba e vou precisar de uma reserva”, explicou.

› FONTE: RJ News


sem comentários

Deixe o seu comentário